Esse ano tem sido de superação total para minha pessoa. Logo no inicio do ano sofri um acidente voltando de um pedal noturno, o que me levou a um procedimento cirúrgico que por consequência me deixou distante dos pedais por mais de 60 dias. Neste período ficava pensando que teria que começar do zero novamente e para piorar a situação não tinha o apoio da minha família.

Mas o inesperado aconteceu, a vontade de voltar a girar era tão grande que logo após dez sessões de fisioterapia peguei minha bike e fui gira com a galera do PedalaGama.

fooComecei a participar dos pedais semanais noturnos e praticar uns de longa distância e logo foi me dando vontade de ir cada vez mais longe.

Recebi o incentivo dos colegas do pedala gama e encarei o meu primeiro Audax em Outubro organizado pelas BBB’s, onde conclui 200 km.

Foi uma experiência incrível, pensei que ia para ali mesmo e continuar só praticando o pedal de rotina, mas logo veio o novo desafio do BRM Cristal, e mais uma vez o desejo de me desafiar.

Desta vez pensei “vai ser mais tranquilo, já tenho a experiência de um”. Que nada, me enganei… Rsrrs.

Como relatado por outros colegas, foram duros 200 km de Cristalina à Pires do Rio à BR de acesso à Cristalina, da BR até a cidade de Campo Alegre e retorno novamente à Cristalina.

Os primeiros Km até chegar no PC1 foi tranquilo, dali para frente começaram as dificuldades, sempre acompanhada da minha parceira de pedal Rosângela Lima e do nosso amigo Peter Lee, percebi que estava mais lenta sentindo muito sono, pois a ansiedade não me deixara dormir por duas noites seguidas antes da prova, e para complicar comecei a sentir uma dor na perna esquerda que irradiava para o joelho, a cada giro que dava a dor aumentava. Logo nosso amigo Peter percebeu que eu estava fazendo muita careta e diminuiu o seu ritmo para ficar ao meu lado, uma atitude linda, pois ela poderia está lá na frente tinha potencial para isso, mas decidiu ficar ali junto comigo e Rosângela.

A Rosângela me perguntava o tempo inteiro se eu queria parar e fazer uma massagem, mas eu insistia que não necessitava e que aguentaria até o ponto de apoio, mas a dor aumentava a cada giro e eu continuava fazendo careta e procurando força, quando chegamos ao ponto de apoio foi um alivio, primeiro porque a receptividade dos organizadores foi incrível, que maravilha aquele Gatorade gelado, aquela água com gelo, a atenção, tudo contribuiu para da uma relaxada, então dei uma alongada ali mesmo e seguimos adiante.

A água gelada deu uma aliviada no sono que sentia, a perna continuava doendo, mas decidi que ia continuar com dor ou sem dor, e dei o meu melhor. Passamos por diversos ciclistas com pneus furados e ali continuávamos até chegar ao ponto que serviria o almoço (macarronada).

Quando chegamos nesse ponto fomos bem recepcionados novamente, almoçamos e minha amiga Rosângela fez uma massagem em minha perna com antiflamatório, e decidimos parti.

Ohhhh massagem abençoada, a dor foi aliviando e o meu rendimento foi melhorando, comecei a pedalar no mesmo ritmo, estava me sentindo bem, até que aparece no meio do caminho uma senhora com o pneu furado pedindo ajuda e logo nosso amigo Peter foi solidário e ficou trocando o pneu, enquanto eu e Rosângela seguimos, pois não podíamos ajudar muito, não sabíamos trocar pneu. Seguimos, pois sabíamos que logo ele nos alcançaria.

Eu e Rosângela estávamos cheia de energia e uma passava a outra o tempo inteiro, mas sempre juntas uma dando força para outra, subidas intermináveis, acidente na estrada, chuva, mas nós continuávamos, até que nosso companheiro Peter nos alcançou e continuamos os incansáveis e intermináveis quilômetros finais.

Os últimos 20 km foram terríveis parecia não ter fim, pedalava, pedalava e nada do danado do Hotel Sonho Verde aparecer, já estava parecendo era um pesadelo, subidas sem fim e a energia acabando, mas graças a Deus vencemos todo o cansaço e concluímos juntos a prova, e quando vimos nossos colegas lá nos saudando foi super emocionante e gratificante.

Agradeço o apoio e carinho de cada um do grupo Pedala Gama, parabenizo as meninas que foram guerreiras e em especial a Joice que deu um show de superação, e a toda organização do evento que foi maravilhosa e respeitosa com todos os participantes.

E vamos rumo aos 300, 400 e 600 km

Leave a Reply

Your email address will not be published.